segunda-feira, 2 de março de 2009

Crise de identidade


Quem me conhece ou que me conheceu, tem a ideia formada que eu sou daqueles verdadeiros metaleiros. A "velha guarda" chamar-lhe-ão alguns. Desde que me conheço poderia afirmar que sim, sou um dos "trv headbangers", mas a vida troca-nos os passos, sinceramente não sei se me enquadro mais nesse estereotipo. Vejo fotos minhas sempre de preto, com camisolas de bandas e com mensagens subversivas, sempre de cabelo comprido, acompanhado pela minha amante de sempre, a Super bock. Não sei se será por agora não ter cabelo ou por me querer afastar de musica depressiva que questiono se ainda sou o Nuno Metaleiro como sempre fui conhecido.
O metal é depressivo... Sem duvída alguma. As minhas bandas favoritas sempre abordaram temas como a morte, o suícidio, depressões, violência e todo o tipo de sofrimento quer físico quer mental. Estou a afastar-me um pouco desse lado negro. Riffs pesados e vozes aos gritos acabam por irritar-me um pouco agora. Para depressivo já basto eu. Neste momento volto-me para bandas que sempre ouvi na minha adolescência. Pearl Jam ocupará o trono neste momento de banda de eleição. Pearl Jam tambem é depressivo, dirão alguns. Concordo, aliás chroro sempre que oiço a "Black" porque parece que foi feita para mim. Mas o sentimento de Pearl Jam não é propriamente a tristeza. Tem musicas que canto durante dias e dias e sabe-me bem. Atenuam um pouco as viagens depressivas que continuo a ter. Tornam mais suportável...
Estou a mudar. Os tempos mudam, a musica acompanha... Tenho muitos concertos de metal para ver, mas não sei se me apetece... Sexta vou ver Mão Morta. Depressivo também. Mas é diferente, pelo menos para mim. A ver vamos se este que aqui aparece voltará...

2 comentários:

Mephisto disse...

LOL. Acho que deixas mais depressa de ser do Benfica.

SentidoDaVida disse...

Bevindo à mudança!
Eu avisei-te para te preparares para o Apocalipse...