sábado, 23 de outubro de 2010

Brutaliza-me com os teus anseios escondidos entre pudores milenares...

Escraviza-me com palavras coléricas de paixão...

Chicoteia-me com visões psicotrópicas de psicadelismos imorais...

Sufoca-me com arfares envenenados por deuses de submundos consumidos por desejos imundos...

Verte o sadismo derramado em escritos ancestrais...

Mas, sobretudo, morde profundamente a minha carne para dela jorrar a minha aura...

Negra, escarlate...

1 comentário:

Dia da Poesia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.