domingo, 17 de janeiro de 2010

A inspiração é algo tão supérfluo e efémero.
Certos dias e noites tempestuosos sinto-me capaz de redigir novos tratados mundiais ao mesmo tempo que escreveria uma obra poética maior em termos de dimensão que "Os Miseráveis". Hoje sinto que o vazio tomou posse da minha mente e a mais simples palavra parece impossível de ser articulada e escrita.
Desejos de eterna capacidade literária formulam-se perante a noite violenta e sibilante. Talvez seja pela ausência de musas que aparecem e desaparecem com a mesma facilidade. Talvez... Ou apenas umas pequenas férias merecidas do meu cérebro constantemente em laboração.
Acefalosofia parece estar instalada e ter tomado as rédeas do meu ser constantemente à deriva..