sábado, 7 de agosto de 2010

Tudo se veste com um ponto de interrogação quando deveria ter somente trajado umas reticências... Elas indicam que nada terminou. Ou então um ponto de exclamação. Sinal de que não causou indiferença.
A vida e a escrita são muito semelhantes, tem regras e reacções similares. Por vezes, acho que as vidas são meras cópias ou ditados. O que aconteceu á escrita criativa e capacidade de escrever? Só se escreve o que está pré-definido ou é ditado por outrem.
É preciso escrever sem regras, escrever sonetos sem as regras das rimas e da métrica e que nem sequer rimem. Os poemas não tem todos que rimar e as metáforas podem deixar de as ser.
Apetece-me escrever com muitos erros e estar-me a cagar para isso, pois não tenho ninguém para me corrigir. Apenas eu próprio, mas eu deixo os erros perpetuarem-se, pois só assim posso escrever melhor...

2 comentários:

Dia da Poesia disse...

solitário. Podes escrever como quiseres, enquanto fores tu próprio marcará sempre a diferença. beijo

Dia da Poesia disse...

Ps: folgo saber que não consegues estar longe do blog heheh