quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Por ti verti lágrimas doces as quais já tinha esquecido o sabor
Ellas deslizaram pelo meu rude rosto a cantar melodias desaparecidas
Para se fixarem na minha alma com todo o seu belo ardor
Despertaram todas as minhas carícias adormecidas
E libertaram novamente todo o meu incontrolável amor.

Ele anda á solta como uma besta tresloucada
Barreiras não encontra no seu caminho
Para te encontrar minha amada.
O desejo sai agora tímidamente de seu ninho
Voraz e capaz de provocar uma intifada.

As guerras passadas enaltecem o sentimento
E o teu beijo destroi o enorme receio
De só te ter apenas num momento.
Descansarei encostado ao teu seio
E jamais terei um unico lamento.