quinta-feira, 22 de março de 2012


tenho saudades dos teus olhos azuis brilhantes que de vez em quando se enchiam de ramelas. De te ouvir tentar abrir a porta do quarto e, por mais quedas que desses, nunca desistias até finalmente conseguir entrar e desatar a ronronar aos meus ouvidos.
Tinhas umas garras muito afiadas. Quando fazias ninho na minha barriga eu contorcia-me em dores mas não conseguia resistir ao teu olhar e ao teu queixinho branco que implorava para que fizesse festinhas...
tenho saudades mesmo de quando me roías os livros ou deitavas o telemóvel para o chão e mesmo de quando ficavas possesso com os atacadores das minhas botas e os esfiopavas todos.
A ultima vez que te vi, estavas deitado ao sol com as patas para cima e nesse momento invejei-te... Estavas feliz e eu também por te ver assim... Ficará sempre essa ultima imagem tua. serás imortal...

Devolveste-me as lágrimas quando eu pensei que elas tinham secado.
Obrigado por me teres feito sorrir tantas vezes, gatinho.
Pensarei em ti sempre e espero que onde estiveres continues a abrir todas as portas e a entrares todo triunfante com o teu olhar sedutor...
Até sempre...

3 comentários:

Sayiuki disse...

é incrível como marcam e mudam a nossa vida para sempre. são seres lindos!

je suis...noir disse...

tão pequenino e lindo:(

Julie D´aiglemont disse...

Como te compreendo...