sábado, 27 de junho de 2009

E lá voltei eu a escorregar.

Após algum tempo sem tocar numa gota de alcool, voltei a arruinar ontem à noite o bom trabalho que vinha a desenvolver. É o problema de haver concertos e ter amigos punks. O clima de festa propaga-se com a velocidade de um incêndio num dia de verão. Quando dou por mim já são 8 da manhã e eu estou completamente afogado em álcool. Ando a lutar para quê? Eu continuo a ser o meu pior inimigo. O que provoca mais baixas nesta guerra pela sobriedade. Entenda-se que não sou nenhum alcoólico nem algo que se assemelhe, simplesmente após conseguir libertar-me de anti-depressivos e ansioliticos que ainda baralhavam mais o meu cerebro inebriado, acabei por me apoiar um pouco no alcool naqueles momentos horríveis da depressão só para conseguir sentir-me um pouco melhor. O problema é que esses momentos horriveis e o sentimento de vazio aumentaram cada vez mais devido à falta de medicação e como consequencia recorria invariavelmente ao alcool. Custou tanto conseguir deixar os antidepressivos que não quero agora ir a correr para uma nova droga. Tenho que ser forte... e saber que consigo passar por isto sozinho...

2 comentários:

mephisto disse...

welcome back my friend! andavas desaparecido das lides literárias. É bom ter-te de volta ainda que por vezes isso seja mau sinal. Sempre tiveste aquela adoração especial por cerveja, mas já noto que passaste ou estás a passar a fase de beber até cair. No outro dia acordavas sempre destruido a nivel fisico e psicológico. A ultima coisa que precisas é a devastação mental das ressacas. Força aí e grande abraço.

Mª Teresa Antunes disse...

Eu imagino esse esforço! Desejo-te ainda mais força para uma nova luta! E não tens que ser forte, tens que ser mais do que isso. Mas vais conseguir!