segunda-feira, 12 de julho de 2010

Partes rumo ao desconhecido
A bordo de pensamentos transcendentais
Para trás fica o que nunca foi tido
Juntamente com os erros demais.

Não existem fronteiras
São meras invenções
Psicológicas rasteiras
Metáforas de ilusões.

Canta cantigas de embalar
Aos sonhos cobertos de pó
Novos está na hora de projectar
Entre a vontade de estar só

Não existem estradas ou mares
Subjugadores e manipuladores
Todas as terras e ares
Foram removidas de clamores

Um pequeno sabor a liberdade
Em tal viagem te aguarda
Só o Homem é capaz da crueldade
E de dar sentido ao nada.

Apenas fugir...
Apenas correr...
Apenas sorrir...
Antes de morrer...

1 comentário:

Sofia disse...

Apenas querer
Apenas foder...

Abraço Hades Almighty!