quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Para a Xana.

Humildes palavras debito numa folha em branco simplesmente porque sim.
Letras solitárias que podem tomar forma em qualquer sentido,
Vogais e consoantes em forma de agradecimento e homenagem,
Nunca serão suficientes para expressar o que me vai na alma.
Agradeço por tudo o que tens feito por este ser malfadado e sem rumo.
Sinto a tua força a segurar e a impedir-me de cair.
Quando sucumbo perante a dor auto-inflingida
Recebo palavras de afecto que me deixam respirar.
Se consigo resistir à minha tristeza,
A ti o devo em grande parte.
A tua luta diária inspira-me.
Aceita esta pequena missiva como uma pequena gratidão
Por tudo o que fizeste por mim.

1 comentário:

Alexandra disse...

meu querido, gomo da minha tangerina, eu sei que também sou um gomo da tua. Às vezes és tu que me seguras para não cair...já reparaste?