domingo, 4 de outubro de 2009

Depois de tributos à minha musa, à Monica Belluci, à minha mão direita e à Super Bock tinha que fazer um a Metallica.


Metallica... A melhor banda que alguma vez o universo teve o privilégio de albergar nos seus vastos territórios. Fala-se de amor à primeira vista, neste caso, comigo, foi amor à primeira audição.
Ainda era uma criança quando em 1988 ouvi pela primeira vez a "Fade to Black". Fui imediatamente absorvido pela sua melodia contagiante e ao mesmo tempo por todo o poder de guitarras potentosas que abriram os meus horizontes musicais tão limitados como se podem exigir a uma criança de 7 anos. Cresci a ouvir Metallica. Não existe numero com zeros suficientes para quantificar quantas vezes os seus majestosos álbuns invadiram os meus ouvidos e a minha alma.
Quando visitaram Portugal a primeira vez eu era um adolescente cheio de borbulhas que choquei os meus pais quando disse que queria ir ao estádio de Alvalade vê-los. Obviamente não consegui tal façanha.
Em 1996 voltaram, desta vez ao estádio do Restelo. Tinha dinheiro e uma vontade redobrada de ir. Azar. O concerto foi durante a semana e tinha demasiados testes. Sim, eu sempre fui bom aluno e levei sempre as aulas como algo sério mesmo pertencendo ao grupo dos rotulados baldas.
3 anos depois voltam. Esta não podia faltar. Tinha saido do hospital na noite anterior onde fui operado e mesmo contra todas as recomendações médicas fui para Oeiras ao Estádio do Jamor. Faço sempre tudo por quem gosto e como vêm não é só de agora. Ignoro todos os problemas que poderão na altura estarem a debater-se sobre mim e nem penso duas vezes.
27 de Julho de 1999. A noite que mudou a minha vida. Metallica à minha frente! Tanto tinha sonhado com este momento! Estavam na fase muito descendente da carreira, mas quando se gosta perdoa-se tudo. Fantástico concerto coroado com o assumir de uma paixão que parecia apenas passageira. Durou até ao final do ano passado... Nada mais foi igual a partir dessa noite. Metallica mudou radicalmente tudo o que me rodeava. Adiante...
8 anos depois já vivia em Lisboa e no SuperBock Super Rock tive a mais fantástica experiência da minha vida: Um concerto de Metallica com 3 horas de duração. Com um setlist fantástico de apenas grandes clássicos editados até 1991. Cada tema tocado provocou-me um orgasmo brutal. 3 horas de orgasmos intensos mas sem sexo. Simplesmente fantástico! A melhor noite da minha vida. Nem uma noite de sexo tórrido com a Monica Belucci seria tão boa! Naquela noite senti-me verdadeiramente feliz!
Por muito que a banda me desiluda com sucessivos lançamentos de qualidade extremamente duvidosa serei seu eterno amante. O que Metallica foi para mim durante a minha formação como pessoa é inegável. Podiam insultar-me e espancar-me brutalmente que não beliscariam em nada a imensa paixão. Assim são as crónicas de um devoto aos 4 cavaleiros do apocalipse. Os sinos nunca dobrarão anunciando o final deste amor.

3 comentários:

Carina disse...

Metallica esteve em momentos chaves da tua vida. É admirável a tua dedicação. Eles deveriam ler isto. As coisas que tu escreves sobre quem gostas!!! Se me fizessem algo parecido derretia-me toda. Mas tu escreves mesmo sabendo que não terás nenhuma resposta. Isso é fantástico.

Mephisto disse...

Foda-se trocar a Monica Belucci pelos Metallica???!!!! Já sabia que eras maluco, mas não paneleiro. LOLOLOL

Mª Teresa Antunes disse...

Eu trocava a Monica e qualquer outra pelos Matallica! \m/