domingo, 4 de outubro de 2009


Ejaculações sobre realidades adversas como forma de baptismo. O meu semen corrompe tudo o que a vista alcança. Chegou a hora de novas realidades serem fecundadas e a mim ser atribuída a paternidade. Terão todos os defeitos e imperfeições do progenitor, mas por mim serão criadas.

Verão o meu rosto versado sobre si próprio em plena paixão narcisista. Devo muito ódio ao mundo mas mando apontar na minha conta. Um dia conseguirei pagar as prestações em atraso que se vão acumulando. Até lá, endivido-me noutra busca.
Novas realidades onde o nome de todos é removido e plantado o meu.
Sou a minha unica realidade e fecundo todos os momentos e parcelas dela.
Sinto-me livre. Livremente livre.
As novas realidades crescem a meu lado e, pela primeira vez sou venerado em vez de venerar.
Olá minhas crias perfeitas! Que futuro auspicioso vos reservo!
Caminharemos juntos ao por so sol observando tudo de bom que para vós criei...

2 comentários:

Carina disse...

Estás livre para incendiares de paixão o mundo com os teus belos textos.

Mª Teresa Antunes disse...

Ás vezes pareces Deus, outras um anjo. Mas na realidade, és o melhor amigo que alguém pode ter do lado!