domingo, 6 de setembro de 2009

Quero com as minhas palavras embriagar-te
Provocar-te ilusões deliciosas e eufôricas
Com a métrica irregular venerar-te
Em construções verbais nunca amórficas

Ver as palavras a serem bebidas por ti
Como se fossem o mais delicioso nectar
Fonte inesgotável encontrarás aqui
Sempre para ti pronta a jorrar

A vida que nas palavras fervilha
Percorre todo o teu corpo extasiado
Como solitários em paradisíaca ilha
Observando o por do sol sempre esperado.

1 comentário:

Mª Teresa Antunes disse...

Este poema fala muito em alcool e extasi!! LOOL que lindo... até parece bonito o alcool e a droga!