terça-feira, 1 de setembro de 2009

Tens o mais belo rosto existente no universo.
Os teus olhos são como duas lagoas com a mais cristalina das águas.
Invejo as lágrimas que algum dia foram seus hospedes.
Pelas curvas da tua tez, vários exploraodres intrépidos desejam aventurar-se.
Mistérios assumem-se e seduzem os sonhadores quando os teus lábios dão à luz o mais belo sorriso.
Quantos profetas enlouqueceram perante a sua visão?
Nunca conseguiram representar a totalidade da sua beleza. Era esta a sua luta.
Jamais será possível capturar tamanha beleza numa tela ou como poemas.
Ela corre livre e desgovernada perante a incredulidade dos que sempre foram crentes.
É uma beleza selvagem que jamais tentarei capturar para mim.
Sou indigno de sequer pensar nela.
Vejo-a a correr livremente com uma felicidade extrema e contento-me por um dia ter tido o privilégio de a ter observado.
O teu sorriso indomável e irreverente a mim não me endoideceu. Fez exactamente o oposto.
Beijou-me com toda a sanidade que andava desertada da minha mente.
Encheu-me de orgulho de estar vivo e de conseguir ve-lo.
Mostrou-me a verdadeira beleza e a ele estarei eternamente grato, mesmo que a mim não pertença.