segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Rua Formosa- Porto


Passos perdidos por entre paredes que guardam segredos centenários. A Absolvição de todos os pecados esconde-se à espreita nas esquinas desertas das palavras.
Passam pessoas anónimas que o querem deixar de ser. Trazem legendas ao lado dos seus passos. Elas traduzem o que os rostos carregados querem esconder.
No próximo entroncamento existe vida. Sobre a sua forma morta existe vida nas pedras da calçada. Quantos passos estas pedras guardam em cima de si? Quantos perdidos tentaram encontrar o caminho nesta estrada?
As montras das lojas exibem guitarras que murmuram o meu nome. Dizem que conseguem transmitir o que me vai na alma. Olho sempre para as mais estranhas. Tem o fascinio de sentimentos distorcidos. São capazes de tocar as mais belas baladas com a sua forma disforme.
Não é a guitarra que faz a musica assim como não é o poeta que faz a poesia.
As guitarras olham os transeuntes mas estes não retribuem os olhares.
Anseiam por mãos hábeis que as façam entrar em extâse. A sua companhia de hoje e de sempre são as pedras da calçada e a elas vão dedicando serenatas enquanto aguardam guitarristas que nunca chegarão.

3 comentários:

Marina Almeida disse...

Ai k giro! muito poetico ;)

Carina disse...

Muito bem senhor Nuno! Adorei.

Mª Teresa Antunes disse...

A cada dia que passa este blog tem cada vez mais gajas! Mas quanto ao post mais "um puta que te pariu oh NUNO é do caralho que ta'foda!"