sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Tristezas...

Existem tristezas crónicas
Melancolias diagnosticadas
Palavras doentes
Curas placebas
Lágrimas exumadas

A tristeza não é uma doença
É um outono eterno
É o despir dos desejos
Ao ritmo das folhas das árvores
Acreditar no que não se acredita.
mergulhar no vazio e fazer dele tudo

Quando todo o riso vai embora
Indica o caminho à solidão
Belas ondas que nos acenam no mar
Querem levar os pensamentos

Estar triste é ser egoísta
Pensar no que foi e nunca no que será
Equilibrio emocional onde o desnível é eterno
Às vezes sabe bem estar triste, outras nem por isso.

Tristeza é subjectiva como a arte.
Não será ela própria também uma arte?
Muito abstracta e com o seu quê de belo percéptivel
Apenas aos mais sensiveis como todos os tipos de arte.
Classifico então que a tristeza é arte e eu sou artista eternamente inspirado.

2 comentários:

Mª Teresa Antunes disse...

Todas a palavras que escreves são lindas, tocam-nos, fazem-nos chorar, rir. Fazem-nos sentir sentimentos, faz-nos viver.

és a perfeição de um ser envolto em mentiras, ódios, indiferenças, dores, angústias, traições. Porque?

Não sei, mas cada vez que mais te conheço te tornas mais forte! Não tenhas medo de usar e absusar desse teu sorriso.

Se a palavra artista se aplica a alguém, esse alguém és tu!

Carina disse...

Artista completamente. Mas não da tristeza. Tens um sorriso lindo que não merece estar escondido. Concordo plenamente com a Teresa.