domingo, 23 de agosto de 2009

Revi o olhar da dor
Bem em mim penetrou
Pintando com tinta incolor
A obra prima que nunca terminou

O seu olhar estava diferente
Não me seduziu nem raptou
Não me afogou na sua corrente
Não roubou o que ja antes tentou.

Olhar de insensibilidade
Nunca no meu focado
Renegando sempre a verdade
Neste ser por mim antes tão amado.

Tinha medo de o rever
Como sal nas minhas feridas
Mas talvez protegido pelo anoitecer
Vi que já não existem emoções temidas

Memórias que prevalecem.
Imagens que pareciam belas
Agora de todo o valor se despem
Retenho apenas o titulo delas.

1 comentário:

Mª Teresa Antunes disse...

Coisas lindas que dizes ao povo! Pois é! Encarar a outrora dor com outros olhos it's fucking weirdo!