sexta-feira, 10 de julho de 2009

Armistício.


Chegou ao fim a mais sangrenta e longa guerra de sempre. Ao longo de vários meses tivemos relatos de toda a violência e morbidez desta desumana guerra. De um lado o enorme exército dos mais extremos sentimentos negros lutando por anexar totalmente o meu ser e do outro a parca resistência do pouco que restava de bom em mim.
Foram batalhas demolidoras em que sempre saiu vencedor o exercito das trevas, em várias delas chegou mesmo a vislumbrar-se o fim como podem constatar relatado ao longo das várias páginas deste blog. As batalhas foram decorrendo mas a resistência, já quase sem soldados, aguentando sempre as investidas ínimigas nunca capitulou.
Ao longo de várias noites, enquanto o exercito invasor se encontrava descontraído controlando os seus territórios conquistados, vários aliados se juntaram na luta da pequena resistência. Assistiu-se então numa bela noite ao contra ataque. O desembarque de incontáveis soldados munidos com a vontade de expulsar o exercito invasor apenas é comparavel com o desmbarque dos aliados nas praias da Normandia na segunda guerra mundial. Irei denominar essa noite como a Noite M.
Presentearam-nos com uma investida fulgurante da resistência, aniquilando todos os inimigos que se lhes depararam no caminho. Completamente desprevinidos e já confiantes na vitória final os exercitos invasores acabaram por ser dizimados. Alguns dos seus lideres ainda estão refugiados algures tentando organizar eles uma mílicia para defender a sua perdida causa. O território foi recuperado com apenas danos no exercito dos sentimentos negros. Não houve lugar a baixas cívis e os principais monumentos neste território permaneceram intactos.
Completamente derrotado não restou oura alternativa ao General Dark Blizard Beast a não ser aceitar a rendição total e a retirada das suas poucas tropas restantes. A paz, ainda armada por enquanto, foi decretada e assinado o armísticio sobre a forma de belos poemas. Procede-se agora à reconstrução do que ficou destruido e à recuperação do enorme numero de feridos desta guerra desumana e sangrenta. A paz e o regresso ao poder do que de bom em mim existe ficou assim consumada. É tempo de festejar.

1 comentário:

Mª Teresa Antunes disse...

Bora ir beber uns copos?? Let's celebrate! Let's make a party!