quinta-feira, 9 de julho de 2009


Passeiam em mim emoções familiares, contraditórias mas que estavam ausentes. Sou um caminho longo e sinuoso, com várias zonas assombradas. A ver vamos se elas não se perderão...

São recebidas com alguma desconfiança e bastante receio. Sempre pensei que seriam recebidas em clima de festa, com direito a fogo de artificio, fanfarra e com os braços abertos. Mas são recebidas como se de um ex-condenado por crimes muito graves se tratassem.

Os olhares desconfiados e apreensivos das outras emoções que já fixaram residência em mim são perfeitamente justificados. Conviviam em paz e harmonia com enormes festas de convívio bem dentro da minha alma. Sentem-se ameaçadas que as novas emoções procurem fixar-se a seu lado e pertubem a sua qualidade de vida. Receio que se tornem ditadoras e que com novas emoções aliadas destruam o seu habitat idílico.

Gostaria que as "novas" emoções realmente optassem por viver em mim, assim poderia expulsar alguns inquilinos indesejados. Inquilinos que ocuparam o seu espaço sem autorização prévia e por lá se deixaram ficar. Se realmente forem essas as suas vontades, colocarei uma clausula de rescisão no contrato. A simples contrapartida de não me voltarem a destruir.

4 comentários:

SentidoDaVida disse...

Ando à procura de casa.

Sofia disse...

Olá grande poeta! Quantas vezes me perguntei por onde andas quando tens aquelas viagens silenciosas em que és capaz de estar horas sem falar. fico descansada por saber que viajas na tua imaginação e crias coisas tão belas como este teu blog. És uma pessoa excepcional e mereces tudo! beijo grande. um abraço do mephas!!!

Mª Teresa Antunes disse...

O mundo quer-te bem. E eu também! Muito...

Marina Almeida disse...

és dmais...escreves com muito sentimento e eu adoro isso....deves de ser alto gajo ;)
já reparei que muita gente admira a tua maneira de ser pelo que tu escreves...deves de ter orgulho e sentires que há pessoas que tambem entram no teu mundo!