quinta-feira, 23 de julho de 2009


São incertezas e inquietações à minha espera em mais um dia em que o sol está ausente. Volto a ter problemas em adormecer e piores ainda ao acordar.
As leituras voltam a estar ausentes, a musica volta a não soar como soava, mesmo as minhas palavras são um parto dificílimo de efectuar.
Permaneço deitado olhando o silêncio. Observando a sua esguia forma movendo-se sem preconceitos sobre tudo o que se lhe depara.
Saio de casa e no lugar do passageiro vai o silêncio. Encontro amigos envoltos nos seus rituais normais de beber cerveja, fumar e dizer barbaridades. Planos para futuras bebedeiras, concertos que hão de chegar. E eu ali ao lado, absorto, silencioso, a aspirar vagarosamente mais um cigarro. Observo todos os seus rituais de pedir sempre mais uma cerveja. Não tenho dinheiro- não há problema- mandam vir sempre para mim também. Ali estou eu seu lado, imóvel, sereno e silencioso. Já me conhecem bem. Estou ali, mas não estou. Ando algures...
Saber que alguém me vê torna-se um alívio porque é sinal de que existo realmente. Pelo menos na forma fisica.
Vejo as horas... Faz exactamente 3 horas que estou aqui e não disse uma unica palavra, como se tivesse perdido a capacidade da fala. Só consigo comunicar com o silêncio...
Está na hora de ir para um novo sítio. Desta vez é o silêncio que vai no lugar do condutor. Conduz-me para locais familiares mas ao mesmo tempo desconhecidos. Entro algures numa amálgama de almas e corpos faladores e estridentes. Olho novamente as horas. 6 horas completamente envolvido pelo mais puro silêncio... E aí vai mais uma e outra... O silêncio diz-me que está cansado e quer ir dormir. Regressamos ao ninho e aí adormeço tranquilamente com o silêncio a embalar-me. Nos sonhos sou confrontado com visões do silencio em muitissimas formas variadas. Já está tão entranhado em mim que até se torna o dono dos meus sonhos. E sei que ao acordar ele ali estará ao meu lado.

2 comentários:

DarkViolet disse...

Os dias nublados cobertos de chuva são aqueles que fazem a Alma mergulhar na introspecção de palpitar com pureza. É necessário absorver um pouco do silêncio no trilho do Ser

Mª Teresa Antunes disse...

:(