domingo, 5 de julho de 2009


Discorrem palavras sobre folhas anteriormente em branco, como se a caneta fosse um pincel a colorir uma branca tela. Pinto quadros soturnos sobre a forma de palavras. É inevitável e mais forte do que eu. Gostaria de substituir as paisagens negras e obscuras por belas paisagens com arco iris e rostos felizes a cantar belas melodias. Não me consigo afastar do lado negro como o Darth Vader também não o conseguiu. As nuvens carregadas e negras continuam a ser as minhas paisagens favoritas para pintar. Não há nuvens iguais por isso todos os meus quadros são diferentes. Irão sempre existir palavras negras e depressivas para escrever e eterna miseria para explorar. Nunca se extinguirá e aqui estarei eu para a descrever.


1 comentário:

Mª Teresa Antunes disse...

Um dia vais te afastar desse lado e tornar-te num principe encantado! :P