quinta-feira, 9 de julho de 2009

Para a minha musa

Imersa no meio das palavras desconexas e sem sentido.
Embrulhada por entre as mais belas estrofes.
Vestida pelas suaves palavras de veludo,
Apareceste e com o teu beijo fico rendido.

Emergem agora todas as verídicas rimas
Que se refugiavam no fundo do mar
E para a minha musa são destinadas
Com sua alma e ternura belíssimas

Imagino o teu cabelo ao luar
Iluminado pelas sombras
E o teu rosto mais que perfeito
Inspirar as palavras que vou narrar

Na tua silhueta respiro
E com teus lábios escrevo
Humildes devaneios
Ao ser que admiro

Amo-te ao ponto de enlouquecer
As letras serão insuficientes
Mas sempre eterna a paixão
E o desejo de te ver.

3 comentários:

Mª Teresa Antunes disse...

A rapariga é a moça mais sortuda do mundo. :)

Espero que estej a tua altura :)

Blizard Beast disse...

Eu é que nunca estarei à altura da minha musa.

SentidoDaVida disse...

Pois não. Nunca estarás à altura dela. Estarás sempre bem mais alto. E ainda bem que assim é.