quinta-feira, 30 de julho de 2009

Encontram-se dois amigos que já não se viam há muito tempo. A recordação que ambos tinham um do outro desse ultimo encontro era uma névoa espessa na qual reconheciam apenas particulas dos seus seres.



Amigo 1- Então caralho? Que é feito de ti?

Amigo 2- É um circundar de espirais de dor que me tornaram algo diferente do que antes fui.

Amigo 1- Vai-te foder com os discursos filosóficos.

Esgares de dor não conseguem mudar rostos nem corações e muito menos almas.



Amigo 2- Poder-se-ia discutir eternamente o quão necessária será a dor para o crescimento pessoal e a fomentação da vontade de viver.

Amigo 1- Quando se sente dor é o maior sinal de que se existe. Não podemos considerar dor, por exemplo, a sede? procuras anular essa dor bebendo, como eu vou fazer agora com esta cerveja fresquinha. AAAAAHHHHHHH. Tão boa!!! Mesmo no ponto...

Amigo 2-Então depois de se anular a dor deixámos de existir? Quando a cerveja acaba e a sede está saciada. A dor findou e nós deixamos de existir?

Amigo 1- Muito pelo contrário. Acaba a cerveja, arrotas e fumas um cigarro. Sabias que tinhas aquela dor e sentias-te angustiado para a anular. Dor que te consumia e agora que a anulaste sentes paz e pensas na dor passada e no presente como algo que te fez saborear por completo o que é viver.

Amigo 2- Então quem não tem qualquer espécie de dor e, consequentemente, não tem que a anular, não existe?

Amigo 1- Todos os seres são atormentados por dores em várias fases da vida. Quando ultrapassadas vive-se em paz, se bem que temporária. Pode perder-se a capacidade de dar valor às mais pequenas coisas, mas não se perde a existência. Aprecia-se e goza-se...

Amigo 2- Simplesmente acho que tenho uma sede insaciável. Não existe cerveja em abundancia para matar a minha sede.

Amigo 1- Compreendo. Se a tua sede é insaciavel tens que beber uma cerveja de cada vez. Não podes beber várias de uma só vez. Bebes uma e, por muito grande que seja a tua sede, ela adormece um pouco e aí já consegues saborear um cigarro.

Despedem-se pouco depois. Um com a sua sede física saciada. O outro com a sua sede mental por saciar. O segundo amigo pede mais uma cerveja...

2 comentários:

Marina Almeida disse...

vou apanhar a borracheira!!!

Bom post ;)

Mª Teresa Antunes disse...

è melhor que conversar sobre futebol! ;)