segunda-feira, 13 de julho de 2009


Muitas vezes choro sem saber o porquê. Talvez pelos que não estão presentes, ou pelos que estão no meu coração. Eu continuo aqui. Eu ainda choro. As guerras chegaram ao fim, mas as noites continuam com lágrimas. Algumas bastante boas outras bastantes más.

Há sempre os sentimentos que me povoam e que me tornam unico a manifestarem-se. Dias e noites houve em que me sentia insensível mas eu não sou nada sem sentimentos.

Vazio de sentimentos jamais estarei, talvez o meu mal é que os levo aos extremos. Em mim não existem sentimentos pequenos, são todos gigantes, mesmo aqueles que parecerão insignificantes ao mais comum dos mortais em mim ganham dimensões abissais.

Confissões em vagas horas nunca nulas de sentido. Nas palavras escritas e gritadas me encontro e procuro assim gerir os meus sentimentos.

3 comentários:

Mª Teresa Antunes disse...

PARA DE CHORAR PAH! :P

Marina Almeida disse...

Houve uma vez que andava a sair com um rapaz que penso que estava a gostar de mim e entao, na hora de me levar a casa, beijou-me e agarrou-me...saí dali a correr e cheguei a casa e chorei como uma desalmada....não sei porque mas senti-me vulneravel, fragil e chorei chorei....Senti-me no fundo, como se me estivesse a usar, mesmo que não estivesse...ouve tambem uma vez que vi um filme que de tão bonito ser chorei feita tola.lol....
Acho que todos temos os nossos momentos de chorar sem perceber....

SentidoDaVida disse...

Adoro esses teus sentimentos em turbilhão. Também gosto de ti brutalmente. É tudo ou nada.
Muitos beijos.