quarta-feira, 8 de julho de 2009


Vou escarrar palavras de amor bem em cheio na tua cara.

Vê-las a deslizar suavemente e a entrarem na tua boca.

Semearei o que ainda restar dessas palavras nos jardins de malmequeres.

Ficarei lá a ve-las crescer e florir. A tornarem-se as mais belas flores.

Serão flores imponentes e o seu perfume corrosivo.

Embriagarão as pessoas sonhadoras como eu.

As sombras iluminarão as suas belas pétalas.

E o vento espalhará a sua essência.

Chegará até ao fim do mundo.

Eu cortarei um pequeno numero dessas flores

E oferecerei a belas almas transeuntes

De que valerá ter flores se as não poder oferecer?

3 comentários:

Mª Teresa Antunes disse...

Porque não ofereces flores a ti próprio? E se eu te der flores?!

SentidoDaVida disse...

Adoraria ser uma dessas almas que passasse por ti nesse dia, para poder aceitar a tua oferenda.

Mephisto disse...

Ehehehehe! Florzinhas? Tu é que me sais-te uma florzinha!!! Desculpa não te responder aos mails, isto de se andar em paris, um gajo perde-se, ;). Grande abraço pulha. Quando chegar ao Porto vais dar-me um ramo de flores? Vá lá....