terça-feira, 7 de julho de 2009


Espero por ti na esquina da felicidade com a da desilusão.
Olho todos os vultos que se cruzam comigo, na esperança que sejas tu.
Estás a demorar tanto...
O que te terá acontecido?
Estarás arrependida?
As palavras no momento...
Espera tortuosa mas talvez recompensada.
A chuva acompanha-me na espera. Antecipa as lágrimas. Tu não vens...
Tempestuosa agora a noite, eu sentado na calçada esperando a minha amada.
A noite transformou-se em dia e eu sempre à sua espera...


Imóvel permaneço nesta rua deserta e já passaram 100 anos.
Os vultos continuo a olhar com a esperança de te encontrar.
Perdeste-te algures no caminho mas eu sei que virás.
Com o poema na mão sempre estive.
As palavras que te escrevi estão aqui para serem recitadas.
Agora que sinto a Morte a chegar na minha lápide irão estar.
Porque eu sei que um dia me irás encontrar.






2 comentários:

Mª Teresa Antunes disse...

I find U!

SentidoDaVida disse...

Eu estou lá sentada ao teu lado para o que der e vier. Só deixo aproximar-se de ti quem tu queiras. Esperamos os dois abraçados? Fazia-me bem um abraço...